Sistemática e a árvore da vida

Ter o prazer de ir a campo, ou mesmo em uma coleção científica – resultado do trabalho de muitos naturalistas – e perceber a natureza dos espécimes, lendo suas descrições, comparando exemplares… o trabalho não poderia acabar apenas em dar nomes!

O que é sistemática, você pergunta? É como os biólogos reconstroem o padrão de eventos que levaram à distribuição e diversidade da vida.

Existe uma incrível diversidade de formas vivas, tanto existentes como já extintas. Para os biólogos se comunicarem sobre todos esses organismos, deve existir também uma classificação desses organismos em grupos [o trabalho do taxonomista consiste em dar nomes únicos para as espécies, primariamente, para termos a certeza de que estamos falando da mesma coisa, lembra?!]. Idealmente, a classificação deve ter algum significado, e não ser arbitrária – deve ser baseada na história evolutiva da vida, de tal forma que seja possível prever propriedades dos organismos recém-descobertos ou pouco conhecidos.

A classificação [taxonomia], entretanto, é apenas um aspecto de um campo muito mais amplo: a Sistemática Filogenética. Sistemática é uma tentativa de entender as inter-relações evolutivas das coisas vivas, tentando interpretar como a vida se diversificou e mudou ao longo do tempo. Enquanto que classificação [taxonomia] é, primariamente, a criação de nomes para grupos; a sistemática vai além para elucidar novas teorias do mecanismo da evolução.

Sistemática, então, é o estudo dos padrões de relação entre táxons; ou melhor, é nada menos que entender a história de toda a vida [da árvore da vida]. Mas história não é algo que podemos ver. Aconteceu uma vez e deixou apenas pistas dos eventos reais. Nas palavras de Stephen J. Gould:

As grandes mudanças evolutivas requerem tempo demais para sua observação direta, na escala do registro da história humana. Todas as ciências históricas baseiam-se na inferência, e nesse aspecto a evolução não é diferente da geologia, da cosmologia, ou da história dos humanos. Por princípio, não podemos observar processos que aconteceram no passado. Devemos inferi-los dos resultados que ainda nos rodeiam: organismos vivos e fósseis, para a evolução; documentos e artefatos, para a história humana; camadas e topografia, para a geologia.

Os biólogos, em geral, e os sistematas, em particular, usam essas pistas para inferir hipóteses ou modelos da história.

A árvore da vida

Em sua obra magna “Sobre a origem das espécies…”, Charles Darwin incluiu apenas uma ilustração – uma “árvore” demonstrando a ramificação e a extinção ao longo do tempo. Com isso ele cristalizou a ideia de que as espécies compartilham ancestral comum em vários pontos no passado. Ele se referiu à relação genealógica entre todos os seres vivos como “a grande árvore da vida”.

Unica ilustração em "A origem das espécies" de Charles Darwin, demonstrando as relações ancestral-descendente e extinções ao longo do tempo

Unica ilustração em “A origem das espécies” de Charles Darwin, demonstrando as relações ancestral-descendente e extinções ao longo do tempo

Ao longo do final do século 19 houve muitas tentativas de retratar as relações evolutivas com diagramas de árvore. Estes foram baseados em aparências gerais – semelhanças compartilhadas na forma e estrutura dos organismos.

Árvore da vida proposta por Ernst Haeckel

Árvore da vida proposta por Ernst Haeckel

No entanto, somente em meados do século 20, especialmente através da obra do entomólogo alemão Willi Hennig, na década de 1960, que os métodos analíticos utilizados por cientistas de hoje para estudar as relações filogenéticas começaram a ser desenvolvidos e a moderna pesquisa sobre a árvore da vida começou. Hennig propôs que apenas grupos monofiléticos são naturais, uma vez que eles seriam os únicos que realmente respeitam o conceito evolutivo da ancestralidade comum. Um grupo monofilético é definido como a reunião de todos os descendentes de um ancestral comum, este incluso.

Árvore filogenética resultado gráfico do método de Willi Hennig de reconstrução das relações de parentesco entre as espécies

Árvore filogenética resultado gráfico do método de Willi Hennig de reconstrução das relações de parentesco entre as espécies

Esta lógica de base e os avanços extraordinários na ciência da computação e biologia molecular prepararam o caminho para a reconstrução de toda a árvore da vida. Devido a um aumento exponencial na pesquisa filogenética em todo o mundo, podemos agora entender o padrão de ramificação da árvore inteira. Esse mega esforço revolucionou a nossa compreensão de nosso lugar na natureza, e o conhecimento resultante já foi colocado em uma incrível variedade de usos e práticas científicos.

Esta árvore filogenética, criada por David Hillis, Derreck Zwickil e Robin Gutell, retrata as relações evolutivas de cerca de 3.000 espécies em todo o Árvore da Vida. Menos do que 1 por cento das espécies conhecidas estão representadas.

Esta árvore filogenética, criada por David Hillis, Derreck Zwickil e Robin Gutell, retrata as relações evolutivas de cerca de 3.000 espécies em todo o Árvore da Vida. Menos do que 1 por cento das espécies conhecidas estão representadas.

Link sugerido: The tree of life web project

Anúncios
Deixe um comentário

5 Comentários

  1. Abílio Ohana

     /  30/09/2013

    Legal, Leo! Texto acessível. Parabéns! Abraço.

    Responder
  2. Já morreu o blog, Léo? Que pena!

    Responder
    • morreu não, pô! temporariamente parado por força maior [leia-se, ultimo ano do doutorado!!!]
      muita coisa p fazer, ler, escrever… ainda passo por aqui, tenho ideias p textos, mas n consigo parar p escrever aqui – pelo menos por enquanto
      agradeço a lembrança, meu amigo!!! assim q tiver de volta a atividade vc será o primeiro a ser notificado

      Responder
      • Entendi… Eu curtia seus textos, fico aguardando ansiosamente a volta deles… pra fazer comentários provocativos hehehe! Força e sucesso aí com o doc! Grande abraço!!

  1. Sistemática e a árvore da vida | Biologia na Web

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: